Another Ocean with Daiki and Palestra

March 31 2022




Another Ocean with Daiki and Palestra







Right now, Team Liquid’s Brazilian Valorant squad is a big fish in a small pond.



It’s part of the trouble in covering them. They get the most stream time and views during the Brazilian Game Changers women’s and nonbinary tournaments but in writing on these events, it’s a question of how to hype up a stomp. Team Liquid Brazil isn’t just dominant in that circuit, they’re historically dominant - the C9 White of Brazil. To the point where, like C9W, the Game Changers is not the team’s main concern anymore.



Since their start in February, 2021 as Gamelanders Purple they have lost 6 total sets in the women and nonbinary scene. For nearly the last 6 months, they’ve been undefeated. In the last event - Protocolo: Gêneses 2022 - they didn’t drop a single map.



Within that sea of upcoming players, Daiki is a Kraken. The 17-year-old Sova main couples insane precision with strong game sense, lending the team firepower and in-game leadership. Mentored by FalleN, she’s at the forefront of a new wave of Brazilian talent that O Professor has helped to bring into the limelight. Making use of the shine, she’s already won awards in Brazil for Best New Female Athlete and Best Female Athlete overall, as well as hit top 3 in the Brazilian server.





Daiki is not without support, however. Her teammates are all some of the best at their positions within the Game Changers circuit and their coach - Palestra - has long had a good eye for how to develop talent. First coaching for INGAMING esports, he helped the club reach some of its best results in the VCT qualifiers, including a 2-1 win over Havan Liberty in the Stage 2 Challengers 3 Closed Qualifier.



Both Daiki and Palestra sit with me for an English interview, to scout out the upcoming Game Changers season. Normally confident, English is one of the few realms that makes Daiki anxious, so while she understands most questions she leans on Palestra to translate her answers from Portuguese. Because of that, there are a few odd spots where their reply might read like a royal plural - or get attributed to both.



As we talk Game Changers, the confidence is back and two of them show that flat, forward self-assuredness that comes with winning a tournament where overtime was never even a threat. Across the last Game Changers event, their opponents only hit double digits on a single map.



Game Changers



Who do you see as the biggest threat? What team is the biggest challenge?



Daiki: [Laughing immediately] I don’t want to look like I’m arrogant about this but I’m really focused on winning [versus] some mixed [gender] teams, like the tier 2 teams. I don’t see any female team in Brazil as a big threat in this tournament and this is just how I feel about it.





Palestra: I am a bit more, I will not say worried about the female tournament, but I think there are teams that are really hardworking and could get us to think about the game and give trouble for us. But not winning [against] us. I think there are teams that need more time to get better because the [Team Liquid] girls are a team that’s [spent] more than one year together. We have the structure from Liquid right now so we are in a good shape.




The teams below us in the Game Changers, it’s not like we know which team is the best team. But we both agree that we think we are winning the tournament.



It’s okay, listen, C9 White, they will talk a lot of shit. They will really talk a lot of trash…


Daiki: [In English, excitedly]. I know. I know it, I know it.





So I think it’s alright. I think you are all in the same spot as them, in some ways.


Palestra: Yeah, they are a team that we are looking forward to facing in a tournament. We want the experience to fight them in a LAN event or something like that. We are really looking forward to the [Game Changers] tournament at the end of the year. Cloud9 White and G2 that we think that we are going to face in the world tournament.



What are the [Brazilian Game Changer] teams that you think could, in time, fight you guys well? TBK, Gamelanders?


Palestra: I think Gamelanders?



Daiki: Yes, Gamelanders to me.



Palestra: Maybe they are in a bad shape [now], [but] the Havan Liberty team that became Star Horizon this split. [...] They are the team that has the potential to give us some trouble in the future, but not right now.




Speaking on C9 White, one thing that they push very hard for, they really want the women and nonbinary teams to compete in the NA VCT Qualifier. What do you two think about this? Should Qualifiers be a priority for Game Changers teams?



Daiki: Yes of course.




Palestra + Daiki: We both agree that we have to have that as the main goal for the team. We both agree that the Game Changers space in Valorant is a space that the girls needed to thrive but they have to wish more for them[selves]. They don’t need to get too comfortable about the situation. They have to have the goals to play in the VCT qualifiers. We think that every team, sponsored or not sponsored, should compete in that type of tournament.




Palestra: I think the biggest reason that Game Changers exists, it’s giving girls this spot to compete and understand everything about the game. But now the move is in their hands. They have to go for bigger stuff, they [shouldn’t] get comfortable, “Oh there’s a Game Changers and that’s everything we need.”



The games that I come from are Super Smash Bros. and fighting games. In these games, the levels of play that you are on can also change the style that you play and sometimes you can get bad habits from them. [...] Is this something that happens at all in Valorant and is this something that happens with playing at Game Changers?



Palestra: I don’t think so because we don’t even practice with any of the teams in Game Changers so we don’t get mistakes because of them. We only play with male and mixed teams right now. We try to play with the best teams so I don’t think we can get bad habits from playing them in the tournament. Of course, there are some aggressive plays you’re more comfortable to play in a game where you are winning by a lot. I think it’s a normal thing.




(My personal favorite “winning by a lot” play.)



Daiki & Palestra: There is some stuff that we take from European teams or teams from different regions and when you are trying to play those types of plays in Brazil, sometimes it doesn’t work. They [sometimes] have a more aggressive type of game and sometimes those kinds of situations have a timing where someone could fuck that up.



In Europe, they are pushing really hard to take mid control. So you prepare for a game to take the mid control and the other team just doesn’t want to play that region of the map. Sometimes, those kinds of bad habits happen because we study other teams and stuff that is done in Europe and NA. [...] I think that’s the most close to bad [stylistic] habits we get there.



Palestra: I think in Smash Brothers, the top players don’t play Mr. Game and Watch. There is one [Mexican] player [Maister] that plays that character in the game so the really high-tier players are not used to playing against Mr. Game and Watch and they have a hard time. I think it’s something like that. There are some times here in Brazil that the teams play a very odd type of gameplay and you have bad reactions to that. [...] It’s just playing a different type of situation.







(Mid pressure has been particularly core to Split during the EMEA event, to the point where it feels like most of the map routes through the tight central corridors. In the clip above, G2 win a back-breaking bonus round against Liquid by pushing ScreaM off of the one way on his Sage wall to feint B-heaven. They then push A instead. EU teams use mid-control on attack rounds to create uncertainty and pull eyes off of Split’s main entry points.)



European Practice



The team likely picked up the heavy battle for mid control and other pieces of EU style when they all traveled to the Alienware Facility in Utrecht for a boot camp. It was a positive experience but also an odd one, given that many of the players had never gone that far from home. And it had been a while since they were strangers to the scene they were in.



Going to Europe, the team had a few slow days where they needed to prove themselves across the Atlantic. They could swim in the scrims of the tier 2 scene - often the tier 1 scene - back in Brazil but they needed to show that to the European teams that did not know them well and had different preconceptions about the top Game Changers teams in their own region.




~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~




How did the boot camp go for you guys and how was traveling to Europe?



Palestra: it was a big experience for us because none of the girls traveled before. Just one of them traveled to Point Blank - it was in Indonesia I think. [...]



It was hard in the first days because when you are a new team you have problems to get practice and stuff like that but for a female team I think it was harder than it was supposed to be. But after we got [through] the first 4 or 5 days of working and practicing and scrimming, the teams really liked to play with us.




So day 5 until the end, it was easy to get really good scrims and to practice and it was a hell of an experience. We needed the first opportunity, right? But besides that it was like a dream come true to be there, to be in a place [with] people we look up to. It was something that made us grow stronger inside the game and outside the game.




Daiki: We had a solid routine. We could practice any time of the day [...] it was very productive because we had a strict routine so we were able to practice [at] a high level every day. We didn’t have anything that could [hold] us back. You have everything that you need to practice. With this structure we got a lot more productive than we are in Brazil or in our own homes.



You said that it was a little harder at first to get scrims, especially coming in as a female/nonbinary team. How much of that do you think was coming in as a Brazilian team not many people knew and how much do you think was coming in as a Game Changers team?



Daiki & Palestra: Both things were a problem because here in Brazil it is not difficult to get scrims in Brazil as we are more known here. We can practice with the tier 1 teams every day. We think that in Europe it was both things.



One part was we were a team that nobody knows in Europe. But talking with some European coaches and other persons like the manager [Eamon/Cauzed], they told me that female teams in Europe are treated like a tier 3 team, it’s not like a tier 2 team. In Europe, after they practiced with us, there were really good teams that practiced with us one time - it was really rough [for us] - but 15 minutes after they asked for another practice with us.



One other problem was the high-tier teams like Gambit and G2 didn’t want to practice with us because they were going to play with Liquid in the VCT next week. So they didn’t want to play with us fearing they would share their scrims. I don’t think they are wrong - it’s something that we would never do but there was that problem too.



In Brazil, when a team has a female lineup and a male lineup, the week that they are playing against each other, normally they don’t like to play with you, fearing that would happen too.



The high seas of the VCT



Returning to the other side of the Atlantic Ocean, it’s clear that Team Liquid Brazil is doing everything they can to meet their region’s higher-tier challengers out in open waters. They might stomp through Game Changers but they are well aware of the work they need to do to reach the next level.



If Daiki is a Kraken, then a name like Sacy is Livyatin, and names like FalleN and coldzera are tectonic plates that can shift the Brazilian tides entirely. This is a fact that Daiki, Palestra, and the team readily understand. They are, after all, working hard to contend with the monsters in the open ocean. Sinking the ships in Game Changers was never meant to be the end goal.



This year, the team has already fallen short of that goal. At least, partly. Brazil’s VCT structure is odd compared to most regions and after dropping out of a few of the open qualifiers, Team Liquid Brazil might not get a shot at the VCT until 2023.



In a more practical sense, the year is only beginning, and with some rumors of tier 2 leagues and tourneys coming to Brazil, the team still has the chance to catch up to the meta, fix the issues they showed in the VCT qualifiers, and become a titan in the tier 2 scene.




~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



There have been a lot of changes in the game and in the meta. Do you feel like the meta is good for the team? Is it very natural or is it taking some adjusting?



Daiki & Palestra: We felt like we were a bit lost when the changes came because the next week after the patch was the open qualifier for VCT. We were in our best shape and then after those changes we felt like many of the things we were able to do, we would need to take that to the trash. [Palestra laughs]



Just now, the meta is very messy. Before, Icebox for example, you have just 3 compositions to look for and right now you have 8-9 compositions [for] every map. There are some compositions that are played more than others but you have to understand what is the composition that best fits your team. There is not a unanimous opinion about everything. [...]


We are trying to have a different approach [to] the game and how we work. We are trying to make the girls to be able to adapt more to the matches in the game. [...] They have to work more for themselves on how they want to play some parts of the map, or the compositions. I think giving them more freedom and more work to do, it’s doing good for the team.



I noticed that on the Breeze games [against] LUSA and TBK the team sometimes struggled with fast hits and lost the site. Is this a wider problem for TL Brazil or something more game-to-game, due to the opponent?



Palestra: I think LUSA studied some stuff about our game because Breeze was one of the maps we played the most. But that’s really one of the problems that we are working - the first line of the site, how to work that situation better. We were having a hard time - like you’re saying, to take [and hold] the first part of the bomb site.



We felt that it was a problem for us on that map. We have good mid control, we have good rotations, but we were not playing good from close range. We couldn’t get the timing, the kills, so it’s one of the parts of the games we’re working on.






(nat1 and bstrdd rotate holding a forward position on elbow against TBK, earning back-to-back picks.)



Comparing the Breeze game against TBK [in Game Changers] to LUSA [in the VCT], it felt like against TBK the team took more forward positions and aggressive duels. Against LUSA the team gave more space. Does the team play more safe and cautious in the VCT Qualifiers than the Game Changers? Or is this a one-off thing?



Daiki & Palestra: We both agree that was a mental problem. Sometimes we had some fears to do stuff we were usually doing. That’s all about the experience of getting in those clutch situations, going into the last stages of the tournament in a mixed scenario.



As it was one of the first experiences for the girls to be in that kind of position, it’s a normal problem to react like that. In the game, we were saying that we just need to do what we were practicing, we didn’t need to do anything different. But in those kinds of situations, it’s like a mental game. You have to try to do the stuff you were practicing [and not] think about if it’s going to get you a win or loss.



Those games in the mixed VCT were good games to talk about. We talked a lot as a team. In some situations, we saw in the game that we were afraid of doing what we were doing in other games.



Greater monsters



Team Liquid Brazil falls into a situation familiar to a lot of top-level women and nonbinary teams CLG Red in CS:GO or C9 White in NA or. It’s Game Changers where you see them play. It’s Game Changers where in many ways, the hype is. it’s a stomping ground - in multiple senses of the word - for team and audience.



Game Changers is a vital locale but isn’t where the test is.



That test is within a tier 2 scene that hasn’t quite fully blossomed yet in Brazil. It’s in qualifiers that - strangely - are already wrapped up. The world of the tier 2 competition is where Liquid Brazil can truly find a final form.



So then, what do you watch for in the upcoming Game Changers tournament? Well, mostly it’s the form and the gap. Liquid Brazil is wildly ahead - no sense in pretending otherwise - but who can catch up? The new meta might be the best equalizer the Game Changers scene will get this year.



Can a team use it to close the distance - or can Liquid Brazil refine their form even further, into something more adaptable, more resilient? This Spring tournament is a glimpse at what’s ahead for the year. A look into the greater monster this team wants to become and if any Game Changers teams will swim out into the wider ocean with them.




Postscript: Inspirations and animals



Daiki, you recently became the captain and IGL [of the team] and FalleN is a legendary IGL. Did you talk with him about moving into that role?



Daiki: Ahh.



Palestra: [in Portuguese] No, but you should.



[Both laugh]



Daiki & Palestra: We are laughing because she never asked him anything about that but she’s feeling like she’s dumb to not ask him. It’s a good idea that you gave her, so she’s looking forward to doing it.



Daiki [in English]: I really never thought about it!



Palestra: Daiki has a really good game sense, she’s like a nerd about the game. [Daiki laughs] She really likes to study the game and to practice a lot - I really like how she thinks about the game. Normally it’s me that helps her with some decisions and some stuff and she has some really good friends in the game that help her with that too.




(A friend request from LOUD aspas, one of the best players in Brazil.)



Daiki, who are some of the main Sovas that you learn from and model your game after, if there are any?



Daiki: I really look at Sacy, [he] played for Vikings last year and plays for LOUD. In the beginning I was focused more on learning every kind of pixel [lineup] and spots and shocks and everything. But [now] I think that Sova is not about that, it’s about knowing the right time to use those skills and how to use them.



It’s about understanding how to play the best timing, the best situation with the agent. I think that Sacy plays really good in those situations, how to play the best timing, how to reserve everything he has in the best way possible.



Oh man, AverageJonas is gonna be so sad!



[Both chuckle] Daiki [in English]: Sorry!



Daiki [translated]: The Average Jonas discord has a lot of stuff and he’s one of the Sovas that has the best pixel [lineups] but I think being a good Sova is not all about the best spots and shocks.



Favorite Marvel Hero:

Daiki: Iron Man



Palestra: Doctor Strange



Agent you hate the most:



Palestra: Raze, as a player. Breach, as a coach.



Daiki: Breach. A good Breach can make you break your keyboard and mouse.



A wizard casts a spell on you. From 3 to 4 PM every day, you turn into one animal of your choosing. You can still think like a person but you can’t talk like one. Which animal do you choose?



Daiki: I wanna be a lion. I am already a lion as a person so it’s easy.



Palestra: I prefer to be a dog because the dogs in my house have a really good life. I think it would be good to be one of my dogs and that’s fine, just to lay around and relax.





Neste momento o time de Valorant da Team Liquid Brasil é um peixe grande em uma poça d’agua.



Esse é um dos problemas de fazer a cobertura dos jogos da Team Liquid Brasil. As meninas conseguem maior visibilidade e tempo nas streams durante o circuito Game Changers no Brasil, tanto no feminino quanto no misto, e a questão agora é como fazer barulho (para incomodar). A Team Liquid Brasil não começou a ser dominante agora, é um time historicamente dominante. Elas são como uma C9 White (C9W) Brasileira. São tão fortes que, assim como com a C9W, o Game Changers não é mais o campeonato principal delas.



Desde o início de sua trajetória, em fevereiro de 2021, como a Gamelanders Purple, perderam apenas 6 partidas no total, contando o circuito feminino e misto; elas ficaram invictas por mais ou menos 6 meses. No último evento que participaram, o Protocolo: Gêneses 2022, não perderam nenhum mapa.



Em um mar cheio de jogadoras novas aparecendo, a Daiki é o Kraken (criatura mitológica). A jogadora main Sova de 17 anos possui uma mistura de precisão afiada e alta percepção de jogo, o que dá um poder de fogo gigantesco ao time, tornando-a uma líder nata. Treinada pelo FalleN, a Daiki é um dos muitos talentos brasileiros que o Professor ajudou a criar. Acostumada aos holofotes, ela já venceu prêmios no Brasil como o de Atleta Revelação Feminina e Melhor Atleta Feminina; a Daiki também está entre os três melhores jogadores do servidor brasileiro de Valorant.







Mas a Daiki não está sozinha. Suas colegas de equipe estão entre as melhores jogadoras do Game Changers; e o técnico da equipe, o Palestra, tem um longo histórico de desenvolver talentos. O Palestra começou sua carreira como técnico na INGAMING esports, e ajudou o time a alcançar uns dos melhores resultados no VCT Qualifiers, incluindo uma vitória de 2-1 contra a Havan Liberty na segunda fase do campeonato.



Daiki e Palestra foram entrevistados por mim e falaram um pouco sobre o próximo Game Changers. A entrevista foi feita em inglês, e a barreira linguística é uma das poucas coisas que deixam a tão confiante Daiki um pouco nervosa. Mesmo que tenha entendido a maioria das perguntas, a Daiki teve a ajuda do Palestra para traduzir suas respostas. Por isso talvez algumas respostas possam soar como Plural majestático, ou serem atribuídas aos dois.



Conforme conversamos sobre o Game Changers, foi perceptível aquela confiança que vem com a vitória em um campeonato no qual o overtime nunca foi uma ameaça. Durante o último Game Changers, os adversários da Team Liquid BR só conseguiram marcar pontos com dois dígitos em um único mapa.



Game Changers



Quem representa uma ameaça? Enfrentar qual time é mais desafiador para vocês?



Daiki: [rindo] Não quero parecer arrogante, mas meu maior foco é enfrentar alguns times mistos, como os times Tier 2. Não vejo os times femininos brasileiros como uma grande ameaça nesse torneio. É assim que eu me sinto.


Palestra: Eu sinto um pouco. Não vou dizer que estou preocupado com o campeonato feminino, mas acho que tem times que se esforçam muito e podem nos fazer pensar mais durante o jogo e dificultar as coisas para nós. Mas, apesar disso, não nos venceriam. Acho que alguns times precisam de mais tempo para melhorar, porque as meninas estão mais de um ano juntas. Agora temos a estrutura da Team Liquid e estamos em boa forma.



Os times do Game Changers estão abaixo de nós, mas não é como se nós soubéssemos qual time é melhor. Mas nós dois concordamos que vamos ganhar esse campeonato.



Não tem problema. Escutem, a C9 White fala muitas coisas. Gostam de “trash-talk”.



Daiki: [animada] Eu sei, eu sei, eu sei.



Então acho que não tem problema. Acho que, em alguns aspectos, vocês estão no mesmo nível delas.



Palestra: Sim, a C9W é um time que estamos ansiosos para enfrentar durante um campeonato. Nós queremos ter a experiência de enfrentá-las presencialmente ou algo assim. Estamos ansiosos pelo Game Changers do final do ano. A C9W e a G2 são times que acreditamos que enfrentaremos no mundial.



Quais times do Game Changers (Brasileiro) vocês acham que futuramente podem confrontar vocês? TBK? Gamelanders?



Palestra: Acho que a Gamelanders?



Daiki: Sim, a Gamelanders.



Palestra: Talvez o time não esteja bem agora, mas a Havan Liberty, que virou a Star Horizon nesse split. [...] É um time que tem potencial para dar trabalho para a gente no futuro, mas não agora.



Falando sobre a C9 White, uma coisa que elas reforçam muito é a vontade que elas têm que times femininos e mistos possam competir no NA VCT Qualifier. O que vocês acham sobre isso? O Qualifiers deveria ser uma prioridade para os times da Game Changers?



Daiki: Sim, é claro.



Daiki & Palestra: Nós concordamos que esse deve ser o foco principal do time. Concordamos que a o Game Changers é um espaço no Valorant que as meninas precisam trilhar, mas elas precisam almejar mais para elas mesmas. Elas não precisam ficar confortáveis com essa situação, elas precisam ter o VCT Qualifiers como um de seus objetivos. Achamos que todo time, com patrocínio ou sem, precisa competir nesse tipo de campeonato.



Palestra: Acho que um dos motivos que o Game Changers existe é para dar as meninas um lugar em que possam entender o jogo por completo. Mas, agora, está tudo nas mãos delas. Elas precisam enfrentar desafios maiores e não podem ficar confortáveis. “Ah, tem o Game Changers, nós só precisamos dele”.



Eu venho do Super Smash Bros e jogos de luta. Nesses jogos, o nível em que você está jogando pode mudar o seu estilo, e algumas vezes pode até adquirir maus hábitos ao jogar com os outros jogadores... Isso é algo que acontece no Valorant? É algo que acontece ao jogar o Game Changers?



Palestra: Eu acho que não. Nós não treinamos com outros times do Game Changers, então não cometemos erros por causa deles. Nós só temos treinado com times masculinos ou mistos. Jogamos contra os melhores times, então não acho possível adquirir maus hábitos ao enfrentá-los durante o campeonato. É claro que é normal fazer jogadas mais agressivas, que você já está confortável em fazer, quando você está ganhando uma partida com uma grande vantagem. Acho que é algo normal.




(Minha partida favorita no quesito “ganhando com grande vantagem”).



Daiki & Palestra: Nós aprendemos algumas jogadas com os times europeus, ou times de diferentes regiões, e às vezes não funciona quando tentamos executar essas jogadas no Brasil. O estilo de jogo deles é mais agressivo, e jogadas assim tem um certo timing, então sempre existe a chance de alguém fazer besteira ao tentar executá-las.



Na Europa, eles pressionam muito para conseguirem o controle do meio do mapa. Então você acaba se preparando para proteger o meio, mas o time adversário pode não querer controle dessa região. Às vezes, esses maus hábitos acontecem porque estudamos outros times e jogadas executadas na Europa e na América do Norte. [...] Acho que esse é o mais perto que chegamos de ter maus hábitos.



Palestra: Acho que no Smash Brothers, os melhores jogadores não jogam com Mr. Game & Watch. Tem um jogador Mexicano (Maister) que usa esse personagem, então os jogadores de alto nível não estão acostumados a lutar contra o Mr. Game & Watch, por isso acabam tendo dificuldades na partida. Acho que é algo assim. Algumas vezes, aqui no Brasil, os times têm uma gameplay um tanto quanto estranha, e você acaba tendo uma reação ruim a isso. [...] É só um estilo de jogo diferente.






(A pressão no meio do mapa foi uma das táticas mais usadas em Split durante o evento EMEA. Parece até que tudo gira em torno dos corredores centrais do mapa. No clipe acima a G2 vence um round complicado contra a Liquid usando a sombra da Sage, controlada pelo ScreaM, para simular um ataque em B, mas avançando pelo lado A. Os times europeus usam o controle do meio do mapa nos rounds de ataque para deixar os adversários em dúvida e tirar a atenção dos pontos principais de Split).



Treino na Europa



O time da Team Liquid BR provavelmente aprendeu a tática de controle do meio do mapa, além de outras características do estilo de jogo europeu, quando viajou para a ALIENWARE TRAINING FACILITY em Utrecht (Holanda) para um boot camp. Foi uma experiência positiva e peculiar, já que muitos dos membros do time nunca tinham ficado tão longe de casa. E já faz um tempo desde que o time se sentiu como estranhos no cenário.



Ao viajar para Europa, alguns dias foram mais lentos para o time, já que tiveram que provar seu potencial do outro lado do Atlântico. Elas normalmente estão entre times Tier 2, ou até mesmo Tier 1, quando estão em casa, mas precisaram provar seu potencial para os times europeus que não sabiam de sua existência e tinham alguns receios em relação ao melhor time do Game Changers do Brasil.




~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~



Como foi o boot camp para vocês? Como foi viajar para a Europa?



Palestra: Foi uma grande experiencia para nós, já que as meninas nunca tinham viajado antes. Só uma delas tinha, que uma vez foi pra Point Blank na Indonésia, eu acho…



Foi difícil no começo, porque quando o time é novo na região é mais difícil de conseguir treinos e coisas assim. Mas, para um time feminino, acho que foi mais difícil do que deveria ser. Depois dos 4 ou 5 primeiros dias trabalhando, treinando e fazendo scrims, os times gostaram de jogar com a gente.



Do nosso quinto dia em diante foi muito fácil conseguir boas scrims e treinos, o que foi uma experiência incrível. Nós só precisávamos de uma chance, certo? Mas além disso, estar na Training Facilitly, com pessoas que nós admiramos, foi como um sonho virando realidade. Foi uma experiência que nos ajudou a crescer dentro e fora do jogo.



Daiki: Nós tínhamos uma rotina sólida. Podíamos treinar a qualquer hora do dia [...]. Era muito produtivo porque a nossa rotina era rígida e treinávamos em alto nível todos os dias. Não tínhamos nada nos segurando. Tudo o que nós precisávamos para treinar era disponibilizado, e com a estrutura da Alienware Training Facility nós éramos mais produtivas do que em nossas casas no Brasil;



Vocês disseram que a princípio foi difícil conseguir scrims, principalmente sendo um time feminino. O quanto vocês acham que foi por ser um time brasileiro, e o quanto vocês acham que foi por jogar o Game Changers?



Daiki & Palestra: As duas coisas foram um problema. Porque no Brasil por sermos mais conhecidos, não é difícil conseguir scrims. Conseguimos treinos com times Tier 1 todos os dias. Achamos que as duas coisas foram um problema na Europa.



Um problema é que ninguém nos conhece na Europa. Mas ao conversar com alguns técnicos europeus e outras pessoas, como managers (Eamon/Cauzed), foi dito que times femininos são vistos como times Tier 3 na Europa, e não como Tier 2. Na Europa, alguns times só queriam treinar uma vez conosco, o que foi difícil pra gente. Mas depois de 15 minutos, pediam para treinar mais.



Outro problema é que os times de Tier mais alto, como Gambit e G2, não queriam treinar com o nosso time por terem que enfrentar a Liquid no VCT uma semana depois. Então esses times não aceitavam os treinos com medo de que fôssemos dividir suas scrims com o time masculino. Não acho que eles estavam errados em pensar assim, não que nós fossemos realmente fazer isso, nós jamais faríamos algo do tipo; mas foi um problema que enfrentamos.


No Brasil, quando os times possuem uma line feminina e uma masculina, normalmente na semana em que as lines se enfrentam, eles não gostam de treinar com outros times, como medo de que isso possa acontecer.



Os desafios do mar que é o VCT



Ao retornarem ao seu lado do Atlântico, é claro que a Team Liquid Brasil está fazendo o possível para enfrentar os seus maiores adversários no mar aberto. Elas podem ser o destaque do Game Changers, mas sabem o trabalho que elas terão, se quiserem alcançar o próximo nível.



Se a Daiki é o Kraken, então nomes como Sacy podem ser considerados como o Leviatã. E nomes como FalleN e coldzera podem ser considerados placas tectônicas, tendo o poder mudar a configuração do cenário brasileiro por completo. Esses são fatos que a Daiki, o Palestra, e o restante do time entendem completamente. Afinal de contas, eles estão treinando para conseguirem enfrentar os monstros e os perigos que o mar aberto proporciona. Afundar os navios do Game Changers nunca foi o foco principal.



Esse ano, infelizmente, o time não está perto de alcançar seu principal objetivo. Pelo menos, não por completo. O VCT do Brasil tem uma estrutura um tanto quanto diferente das demais regiões, e depois de perder algumas Open Qualifiers, a Team Liquid Brasil talvez só tenha outra chance no VCT em 2023.



Mas, de um ponto de vista mais prático, o ano apenas começou. Existem rumores de que algumas ligas e campeonatos Tier 2 possam vir para o Brasil, o que daria a chance de a Team Liquid Brasil alcançar o meta, consertar seus problemas do VCT Qualifiers, e se consagrarem como Titãs do cenário Tier 2.




~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


O jogo e o meta mudaram bastante. Vocês acham que as mudanças do meta foram boas para o time? A mudança foi natural ou ajustes precisaram ser feitos?



Daiki & Palestra: No começo, nos sentimos um pouco perdidos com as mudanças. Porque uma semana depois (da mudança do meta) seria o Open Qualifier do VCT. Nós estávamos na nossa melhor forma, e com as mudanças, sentimos que muito daquilo, que nos preparamos tanto para fazer, foi por água abaixo. [Palestra ri]



Agora, o meta está bem bagunçado. Antes, em Icebox, por exemplo, você só tinha três composições possíveis; agora você tem até nove composições para cada mapa. Algumas composições são mais usadas que as outras, mas você tem que entender todos os elementos da composição para ver qual melhor se encaixa com seu time. Não existe uma opinião unânime sobre tudo. [...]


Estamos tentando ter uma abordagem diferente sobre o jogo e sobre como trabalhamos. Uma das coisas que estamos tentando mudar é a adaptabilidade das meninas durante as partidas. [...] Elas tem que trabalhar mais, entre elas, sobre como querem jogar algumas partes do mapa, ou quais composições querem usar. Acho que dar mais liberdade e autonomia para as meninas está fazendo bem para o time.



Percebi, que durante alguns momentos, nas partidas em Breeze contra a LUSA e a TBK, o time tinha dificuldades com tiros rápidos e perdiam no bomb site. Esse é um problema que a Team Liquid BR está tendo ou é algo mais de jogo para jogo dependendo do adversário?



Palestra: Acho que a LUSA estudou algumas coisas sobre o nosso jogo, porque Breeze é um dos mapas que mais jogamos. Mas esse é um dos problemas que estamos tentando resolver, como a nossa entrada nos bomb site e tentar fazer execuções melhores. É como você disse, estamos com dificuldades para invadir e segurar os bomb sites.



Sentimos que esse era um problema em Breeze. Tivemos um bom controle do meio do mapa, mas não estávamos indo bem com as aproximações do outro time. Não conseguíamos ajustar o timing e efetuar os abates, então são coisas em que estamos trabalhando agora.







Comparando os jogos em Breeze contra a TBK (no Game Changers) e o da LUSA (no VCT), parece que contra a TBK o time teve posicionamentos mais avançados e foi mais agressivo nos embates. Já no jogo contra a LUSA, o time recuou um pouco. O time joga com mais cautela durante o VCT Qualifiers do que durante o Game Changers? Ou foi apenas uma coincidência?



Daiki & Palestra: Nós concordamos que foi uma dificuldade mental. Às vezes nós temos receio de fazer certas jogadas que estamos acostumados a fazer. Tudo isso faz parte da experiência de enfrentar clutchs durante a fase final de um campeonato do cenário misto.



Como foi a primeira vez das meninas nessa situação, é normal reagir como elas reagiram. Durante o jogo, nós falamos que só precisávamos fazer tudo como havíamos treinado, não precisávamos fazer nada de diferente. Mas, em situações como aquelas, tudo parece ser um jogo mental. Você precisa tentar aplicar as táticas de treino e não pensar no que vai fazer você perder ou ganhar.



Aqueles jogos do VCT misto foram bons para nós discutirmos algumas questões. Conversamos muito como um time. Em algumas situações, percebemos que estávamos com medo de executar jogadas que fazemos em outros jogos.



Monstros maiores



A Team Liquid Brasil enfrenta problemas conhecidos por outros times feminino e não-binários do cenário, como a CLG Red do CS: GO, ou a C9 White. Você só vê esses times jogando no Game Changers. É no Game Changers, onde o hype está. É um lugar comum, de muitas maneiras, para times e audiência.



O Game Changers é essencial, mas não é onde o maior teste acontece.



O teste acontece dentro do cenário Tier 2, que ainda está emergindo no Brasil. É nos Qualifiers, que estranhamente já se encerraram. O universo das competições Tier 2 é o lugar em que a Team Liquid Brasil pode encontrar sua forma final.



Então, por que assistir o próximo Game Changers? Bem, pelo formato e por essa lacuna. A Team Liquid Brasil está muito à frente dos adversários, não faz sentido dizer que não, mas a questão é: quem pode alcançar a Team Liquid? O novo meta talvez seja a melhor maneira de igualar o cenário do Game Changers desse ano.



Seria um time capaz de usar o novo meta para fechar essa lacuna entre a Team Liquid e os outros times? Ou a Team Liquid usará o meta para avançar ainda mais e virar um time mais adaptável e resiliente? O campeonato deste Outono será uma amostra do que acontecerá no resto do ano. Uma amostra do mostro ainda maior que esse time pode se tornar.



Pós entrevista: Inspirações e animais



Daiki, você recentemente virou a capitã e a IGL do time. O FalleN é um IGL legendário. Você falou com ele sobre a sua mudança de função?



Daiki: Ahh...



Palestra: Não, mas você deveria.



[Os dois riem]



Daiki & Palestra: Nós estamos rindo porque ela nunca perguntou para o FalleN nada sobre isso, e ela está se sentindo burra por não ter perguntado. Você deu uma boa ideia para a Daiki, ela está ansiosa para perguntar isso a ele.



Daiki: Eu nunca pensei nisso!



Palestra: A Daiki tem uma ótima leitura do jogo. Ela é uma nerd, quando se trata do jogo. [DAIKI RI] Ela gosta de estudar o jogo e de treinar muito, gosto como ela pensa. Normalmente sou eu que a ajudo com decisões outras coisas, mas ela tem boas amigas no jogo que a ajudam com isso também.



(Pedido de amizade do aspas, da LOUD, um dos melhores jogadores do Brasil.)



Daiki, quem são os main Sovas com quem você aprende muito e são seus modelos? Existe algum?



Daiki: Eu admiro muito o Sacy, ele jogava na Vikings no ano passado e agora joga na LOUD. No começo eu me concentrava mais em aprender cada pixel, local, choques e tudo mais. Mas, agora, acho que jogar com o Sova não é só sobre isso, é sobre saber como usar as habilidades que ele tem, e o tempo certo de usá-las.



É sobre entender como jogar no tempo certo e na melhor situação com o agente. Eu acho que o Sacy joga muito bem nessas situações, sabe o melhor momento para usar as habilidades, e como usar tudo o que ele tem da melhor maneira possível.



Nossa, cara. O AverageJonas vai ficar muito triste.



[Os dois riem]



Daiki: Desculpa!



Daiki: O Discord do AverageJonas tem muita coisa que ajuda no jogo, e ele é um dos melhores Sovas, e tem o melhor pixel, mas eu acho que ser um bom Sova não é só sobre os choques e estar nos melhores lugares.



Herói favorito da Marvel



Daiki: Homem de Ferro.



Palestra: Doutor Estranho.



Agente que você mais odeia.



Palestra: Raze, como jogador; e Breach, como treinador.



Daiki: Breach. Um bom Breach pode fazer com que você quebre o mouse e o teclado.



Um feitiço é jogado em você. Todo dia, das 15h-16h, você se tornará um animar de sua escolha. Você poderá pensar como humano, mas não poderá falar como um. Qual animal você escolhe?

Daiki: Leão. Eu já me comporto como um leão, então seria fácil.



Palestra: Eu acho que um cachorro seria melhor. Em casa os cachorros levam uma vida muito boa. Acho que seria legal ser um dos meus cachorros, eu só teria que ficar deitado relaxando.






Writer / Escritor // Austin "Plyff" Ryan
Graphics / Gráficos // Tiffany Peng
Translator / Tradutora // Anna Lorena





















Please log in with your teamliquid.net account to post a comment.
 
Dota 2   Last chance at Aegis: TL coaches gear up for LCQ After an endlessly up-and-down 2022, Liquid Dota has one last chance to make it to TI. Two spots on the line in one of the toughest events of the year, Liquid’s Dota coaches - Blitz, Jerax, and Jabbz - prepare the team to not only beat an insane gauntlet of enemies, but to beat their own inconsistency. The interview also includes thoughts on mid lane, patch 7.32, and the meta heading into TI.
  The Liquid Review: September 2022 Franchising in Valorant, heartbreak in League, YEKINDAR in CS... It's been a busy month in Team Liquid. Catch up today with September's Team Liquid Review!
League of Legends   Eyes on Worlds: Midbeast fills you in on LPL and LCK One of the best things about any esports title is international tournaments. All the regions coming together, the styles, the pride, the best-of-the-best, all clashing in one arena… it’s both competition and celebration, and nothing showcases that better than Worlds. League of Legends’ biggest event is already pretty exciting, but in 2022 it’s set to come back to North America for the first time in six years, bringing with it a return to live crowds. It’s so hype that by the time it rolls around, you’ll probably have forgotten your 4th place blues.
League of Legends   Farewell Guilhoto, farewell superteam As we say goodbye to Guilhoto, we want to also say goodbye to the superteam. This farewell is an interview conducted by Ben Zieper and CoreJJ and a reflection on the entire year. It's an article that reflects Guilhoto's own candor and openly discusses the issues within the split and how the superteam reached less-than-super results. If you want to know what happened, you'll want to read the article.